terça-feira, 30 de janeiro de 2018

[Off topic] Projeto "me descobrindo bissexual"

Olá, pessoas! Estou aqui estudando um projeto pra desenvolver através de videos no meu canal Bi yourself. Seriam os seguintes: uma fanfic, uma historinha, trilhada por alguns personagens que passam por algumas experiências e situações até finalmente se descobrirem bi. Vai haver um momento em que essa história terá um diário pessoal, uma narrativa, que pode ser minha. O outro seria um documentário, ou seja, as pessoas relatando a SUA própria história de vida e descoberta. Mas para isso acontecer, eu gostaria   que algumas pessoas interessadas  se candidatassem, preciso de no mínimo umas 10 pessoas interessadas, até mesmo para podermos formar um grupo de apoio bissexual (isso será explicado em um menu de páginas). Primeiramente, as pessoas interessadas devem concordar em aparecer nos videos, serem maiores de idade e já serem assumidas e confortáveis com isso. O resto a gente pode resolver por emails e combinar uma reunião pessoalmente para acertar esses detalhes. O que vocês acham?

Interessades mandar email para: danylively@gmail.com/danyshade@uol.com.br ou bi.yourself@gmail.com

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

30. 13 reasons why: da objetificação ao suicídio

Resultado de imagem para 13  reasons why






Todos já sabem o enredo, a garota explica os porquês de seu suicídio. Mas algo que  me chama muito atenção é: o caminho até esse suicídio. Como ele começou. Uma foto de interpretação duvidosa já foi motivo de várias adolescentes sofrerem  cyberbullying, estupro consentido ou não, e à morte por suicídio. Logo de cara me lembrei da menina Amanda Todd que se matou aos 15 anos, por ter mostrado seus seios em um chat da sétima série e ter sua foto exposta nas redes sociais e ser perseguida por um maniaco psicopata, que resolveu fazer da vida dela um inferno. Uma foto comprometedora  faz com que uma garota receba rótulos e uma fama  de algo que ela não é e nem precisava disso. Fruto de que?Adivinha?? Do machismo, claro! Mias uma vez, por que um home m para afirmar sua masculinidade, precisa denegrir  a imagem de uma mulher? Por que somente as mulheres tem o título de "vadia" por andar de roupas curtas, e ninguém xinga um homem por dormir com várias mulheres e por estuprar e abusar delas?N]ao, ninguém os chama de "vadios", "putos". Eles são os "garanhões", sempre foi assim. Chamar uma mulher de gostosa sem observar a humanidade e os sentimentos dela e reduzi-la a um corpo bonito é assédio, não uma cantada. Palavras mais sutis como "você é linda, inteligente, educada, delicada", surtiriam um efeito muito melhor no psicológico de uma garota. O estupro ali foi uma  conseqüência de um homem machista achar que tem total liberdade em dominar o corpo de uma garota sem o consentimento dela, somente porque parte dele foi exposto indevidamente.  E quando sofremos esse tipo de abordagem  SEMPRE tem alguém pra criticar: "ah, mas também, tava de roupas curtas, tava pedindo", "ah, mas foi em balada tal que só tinha cafajeste", então quer dizer que não temos o direito de ir e vir porque só a nossa presença  já é motivo suficiente para sermos estupradas "a pedido nosso"? Revejam esses conceitos aí hein, produção, tem alguma coisa errada, muito errada! A culpabilização da vítima (sim, queiram vocês ou não existe esse termo, pois existe um agressor, logo existe uma vítima dessa agressão)  é algo que só piora o estado emocional da mulher que  sofreu o estupro, e consequentemente, pode levar ao suicídio. Muitas mulheres são estupradas por serem objetificadas, muitas mulheres bi são violentadas porque acham que ela gosta de sexo bruto; muitas lésbicas sofrem estupro coletivo, por causa dessa mentalidade grotesca de que ela "vai virar mulher". Estupro é crime, e deve ser levado como tal. É preciso fazer uma campanha que erradique a cultura do machismo.  Isso  acabaria com  todos os estupros? Não, mas possivelmente o reduziria bastante. Os homens precisam aprender que mulheres (e homens que sofrem estupro também) têm sentimentos e merecem  ter seus corpos respeitados. Para quem  o sofre, entender que a culpa não é sua. Se você notar comportamentos do tipo reação  de medo  ao falar de homens, perceber que a pessoa foge do assunto, (porque é muito difícil  falar que sofreu um estupro, geralmente a vitima se sente suja, envergonhada) faça com que essa pessoa procure ajuda e não faça nada estúpido. Se você tiver uma namorada e  sacar que ela se sente intimidada com relação ao sexo, não force uma relação, trate-a com amor, mostre que gosta dela pela pessoa que ela é,  tenha paciência com ela, pois ela pode ter passado por algo do tipo. A empatia ainda é  o melhor remédio para casos que levam à depressão e evitar que chegue ao extremo do suicídio. 

29. Como a bissexualidade é (re)tratada em filmes e séries

A bissexualidade infelizmente AINDA  é condenada e cheia de estereótipos, que se tornam estigma e deixam as pessoas dessa sexualidade se sentindo erradas e confusas. Em séries ela é retratada como temporária e uma transição para a homoafetividade. Em The L word temos Tina Kennard, Alice Piezescki e Jenny Schechter que se identificavam como bi....mas aí é que foi.....




Logo no começo da série, Dana questiona Alice: "Bissexuais são confusos, quando  é que você vai  se decidir entre pênis e vagina?!' num tom bem intimidador.

Tina Kennard diz em outra cena mais para  a terceira ou quarta temporada: "Eu era "hetero" antes de conhecer a Betty" ela era hetero....ou vivia uma vida  hétero?


Alice resolve voltar p araos homens depois de uma decepção com Gabby Deveaux.....conhece um "homem lésbico", e num grupo de apoio afirma que "no fundo queria um homem assim poque tinha medo de ficar viciada em sexo com homens". Essa frase revela um medo de  algumas bissexuais ficarem atreladas aos relacionamentos com  homens por alguns motivos que não quero discutir aqui.

Jenny por sua vez, namorava Tim, mas depois de ficar com Marina até fica angustiada quando está com Tim, tenta sair com outro homem e chora. Ele afirma: "você não gosta de transar com homens pq é a porra de uma lésbica!"



Eu assisti dois filmes que mostram um fim desagradável para bissexuais: por querer ambos, fica sem ninguém. Um é Jovem Aloucada (tiraram do Netflix e tinha no Youtube) e Pequeno dicionário amoroso 2 (nacional). As meninas em cada filme namoram um homem e uma mulher.... quando um sabe do outro, em um filme ficam juntos e a deixam de lado na balada; a outra briga com ambos e ambos a deixam por ciúmes um do outro. Bi é visto como ganancioso. Tanta gente se relaciona com mais de uma pessoa ao mesmo tempo, sem mesmo que uma saiba da outra  como nas relações de poliamor, onde tudo costuma ser consensual, e ninguém enche o saco, por que essa palhaçada toda com bissexuais? Essas cenas só mostram como é difícil se achar como bi onde suas relações são sempre julgadas. Ou  você segue sendo você mesmo sem se importar e taca o FODA-SE, ou vai sofrer com essas coisas.  Não temos  mais que ficar nos desculpando ou nos justificando somente por ser quem somos!

28. Desconstruindo os estereótipos sobre bissexuais











Existe uma série de pensamentos negativos  e equivocados, direcionados à bissexualidade  e às pessoas que se  encaixam nessa orientação.  São afirmações  muitas vezes feitas sem uma vivência da situação (sem conhecimento de causa)  ou sem um embasamento real.  Vamos discutir e tentar desconstruir algumas dessas principais frases.



1) "Você AINDA não se decidiu"  - por que eu ou qualquer outro bissexual deveria DECIDIR/ESCOLHER com quem ficar? Partindo-se do pressuposto que temos atração por ambos os gêneros,  nós ficamos com a pessoa não por escolha, mas sim por identificação, empatia, pelo momento, quem  melhor nos satisfizer ou atender uma necessidade em determinado momento.  Ninguém é obrigado a ficar em  apenas  um lado só pra se dizer mais homo ou mais hétero, isso fica  critério da pessoa e mais ninguém tem NADA a ver com isso.  Forçar alguém a decidir significa apagar a ideia e possibilidade de se s sentir  atraído por gêneros diferentes e entra na autoridade da obrigação da monossexualidade.


2) "Bissexuais são mais promíscuos, só querem  putaria" - com base EM QUE você fundamenta esse tipo de afirmação?  Você conhece TODOS os  bissexuais do planeta? O fato de ter atração por homens e mulheres, NÃO SIGNIFICA que que vamos passar o rodo geral e dar pra todo  homem ou mulheres wherever we go! Eu por exemplo sou bastante seletiva, não é qualquer mulher ou homem que chega aqui. Já tive fases de pegar quem aparecia, mas era mais um receio de ficar sozinha. Ultimamente estou evitando isso, e mesmo assim não eram várias pessoas de uma vez. Fora que quando quero ir pra cama com alguém eu opto por usarmos camisinha, mesmo que eu já conheça essa pessoa. Farei inclusive um post mais elaborado sobre sexo seguro com ambos. 




3)  "Bissexuais na verdade são homossexuais que não se assumiram" - bom, há pessoas que usam o termo bissexualidade ainda em fase de aceitação de sua própria homo, mas isso NÃO É REGRA.  Há bissexuais legítimos, que se entendem assim desde sua infância ou adolescência. Generalizar com essa afirmação é deslegitimar a orientação bissexual de um indivíduo, e isso é invasão de espaço e uma falta de respeito com a pessoa. 



4) "Bissexuais traem mais" - traição não tem nada a ver com orientação sexual, mas com vários outros  fatores na relação, inclusive caráter. Se alguém não curte mais a pessoa
 como antes, o mais sensato é ser honesto, conversar francamente  com a pessoa  e propor o término pra não machucar alguém de graça. Ou no máximo propor uma relação bígama ou poliamorosa, desde que o parceiro ou parceira consintam isso. 



5) "A maioria dos bissexuais curte relações abertas, não querem compromisso sério" não é regra, mas muitos são abertos às relações livres, relacionamento aberto e poliamor que são coisas diferentes.



Está na hora de VOCÊ começar a descsontruir a imagem dos bissexuais e do que  é a bissexualidade e talvez tentar eliminar a bifobia internalizada dentro de si.

27. La vie d'Adèle - seria Adele bissexual?

Resultado de imagem para adele azul é a cor mais quente







No filme "Azul é a cor mais  quente" de Abdelatif Kechiche, (2013), é explorado o romance entre a personagem Adele, que ainda era uma colegial, com Emma que já fazia curso de Belas Artes e já trabalhava com pintura.   Emma ficava evidente que é lésbica, mas Adele no começo fica com um garoto, encorajada pelas amigas, mas parece não gostar da relação sexual, pois naquele momento estava encantada com Emma e nem ela mesma sabia o que estava acontecendo com ela. No decorrer da relação, ela parecia realmente ter se descoberto com Emma e achar a relação com uma mulher algo mais intenso, porém quando perguntada por Joachim (na festa de Emma) se  ela  sempre havia se relacionado com mulheres, diz que Emma era a primeira. Joachim pergunta se era diferente, mais carinhoso, Adele responde que era um pouco diferente, mas não sabe responder se era mais terno e diz que "depende". Quando ela percebe um possível envolvimento de Emma com Lise (a moça grávida), começa a se sentir sozinha e passa a dar chance para o  professor que sempre a convidava pra sair.  Ela vai até o baile e fica com ele e fica subentendido que houve relações sexuais, e parece que desta vez ela havia gostado, apesar de não deixar  claro. Emma descobre tudo e a confronta. Ela tenta negar o  envolvimento, mas depois resolveu confessar. Na confissão, Emma se torna ainda mais agressiva, colérica e  intolerante, chamando Adele de mentirosa e puta, o que francamente me fez pensar  claramente  em bifobia,  principalmente quando  Emma  a questiona: "você chupa esse cara e depois quer vir me beijar?" A questão é: Adele foi colocada como se tivesse vergonha de sua relação com  uma mulher, e foi uma noção totalmente errada. Ou então, que bissexuais quando estão carentes, partem para a traição com o outro gênero. Quando Adele rejeita Thomas por causa  de Emma, fica parecendo que na verdade era lésbica, mas isso cai por terra quando se envolve com o professor.  Fica algo implícito no filme, mas a mim parece clara a bissexualidade de Adele. Então por que a colocaram como "confusa", "mentirosa" e "puta"?Pergunto, se Adele  tivesse traído Emma com outra mulher, teria sido xingada daquela forma tão severa? Confesso que por muito tempo essa cena me perturbou, e me fez pensar que esse tipo de atitude só reforça ainda mais o preconceito e intolerância.  das lésbicas co em relação às bissexuais. Não raro, em outros casos de personagens de série, a bissexualidade da mulher acaba um  pouco velada ou , mostrada como passageira, basta ver três personagens de The L word, das quais irei me aprofundar um pouco mais em outro tópico só para isos, mas cabe aqui a reflexão: por que não creditaram Adele como bissexual?Seria por ela ser adolescente e estar ainda "se descobrindo"? Passaram-se 3 anos no final do filme, Joachim inda parecia sentir algum interesse e atração por Adele, que parecia ainda muito entorpecida pelo fim definitivo com Emma, apesar de tentar demonstrar o contrário (sua última tentativa  de ser percebida pela ex fora na exposição de artes, haja visto o quanto se arrumou).Ainda na cena do café, ela é perguntada por Emma se tinha namoradas ou namorados....Adele apenas responde que "se envolveu com algumas pessoas, mas nada sério, que sempre voltava sozinha". Ela não deixa claro se eram homens e mulheres, ou apenas mulheres. 

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

26. O que está acontecendo com os homens? Não seja esse cara!



Resultado de imagem para indiferença homem  relacionamentos




Esse post é mais um desabafo e um questionamento. Me baseei em relatos de mulheres que vi no youtube, na vida, comigo.  Sei que muito  caras podem não gostar, mas vale a pena  repensar as atitudes muito a sério depois ler todo esse tópico.



O que está levando os homens a negligenciarem tanto seus relacionamentos,sejam de amizade ou amoroso? 
Resultado de imagem para indiferença homem  relacionamentos





Todo início de relação começa bem, um mar de rosas: você SEMPRE acha que encontrou o cara certo, o melhor amigo, acha que ele estará sempre ali no matter what..... ele por sua vez também  pensa assim... porém há uma sutil diferença. As mulheres parecem se importar mais  em sempre cultivar a relação...muito mais do que os homens, que por vezes acabam se acomodando.  Lendo um  livro sobre intuição de Osho, me deparei com um trecho em que dizia que "o homem gosta da conquista, quando consegue o que quer, perde o interesse". Mas por que precisa ser assim? Qual é o sentido disso? Não vejo, e  sei que MUITAS mulheres também não o veem.

Confesso que me decepcionei e brochei quando li essa parte. O livro é um bocado repetitivo, tão repetitivo quanto este ciclo interesse, paixão, conquista, amor, rotina, desinteresse, comodismo. Não raro, muitos homens se distanciam após ter relações sexuais com a mulher desejada e muitos após anos de companheirismo simplesmente se encostam na relação, e passam a responsabilizar as mulheres por tudo, principalmente pelo fracasso da relação. Tentativas de conversa pra saber o que está acontecendo parecem falhas.  Ninguém assume que cansou da relação, que só quis viver o momento e que a partir dali,  tanto faz. Não seria mais fácil chegar e dizer a real? Por que é tão  difícil manter a lealdade prometida no início da relação?

Muitas se culpam e outras pessoas reforçam essa culpa por um comportamento que foi escolhido (sim, escolhido). Escolhido e aprendido, arrisco dizer. Homens foram ensinados a ignorar sentimentos, os seus próprios sentimentos, como irão lidar e respeitar os sentimentos da amiga ou da namorada, esposa ou companheira? Não dá! Sempre acham (ou passam a achar)  que "ah, ela gosta mais, que venha atrás", "ah, mas ela gosta de mim, logo vai passar essa mágoa". Sério, não façam isso, não deixem de demonstrar afeto, pois isso estraga a relação e algum dia vocês não a terão por perto, seja qual for a circunstância, um novo amor, uma viagem pra fora da cidade ou do país, e pior, do planeta, afinal vocês não sabem oi dia de amanhã e nem vocês serão eternos. Nuca deixe pra fazer quando for tarde o que se pode fazer hoje !  Uma relação de mão única não tem o menor sentido. O machismo já deixou muitas feridas que não prejudicam só as mulheres psicologicamente, ms os próprios  homens que acabam criando um personagem, por achar que tem obrigação d serem "fortes". Força não é sinônimo de indiferença e  negligência. E se tratando de um blog sobre bissexualidade, esse é um dos motivos pelas quais mulheres bissexuais já estão deixando de se sentir a vontade em relacionamentos  coim homens e desistindo deles e preferindo ficar com mulheres, porque nós não abrimos mão de nossos sentimentos e emoções. Não as banalizamos ou achamos perda de tempo. Um bom documentário que mostra o que o machismo é capaz de fazer na mente de um homem é "The mask you live in" (a máscara em que você vive), o nome já diz tudo, busquem na Netflix. E vou deixar também um video de reflexão sobre um rapaz chamado Felipe que perdeu sua "caixinha" justamente por não ter lhe dado o amor e carinho que ela merecia. Quem assistir, entenderá perfeitamente. Não valorize penas quando perder pra sempre, não seja esse cara!

Espero ter conseguido abri um  pouco melhor a mente  de vocês. Que isso sirva de aviso .




domingo, 17 de dezembro de 2017

25. Terapia, será que ajuda?

Algumas pessoas bissexuais podem sentir a necessidade de procurar um profissional para tentar lidar com sua identidade, mas se  deparar  com situações desagradáveis, como psicólogos anti-  éticos que tentem "alterar" sua orientação, ou tentar te direcionar a uma suposta "escolha", o que seria uma forma de apagamento da bissexualidade, ou não reconhecimento da mesma, dando diagnósticos equivocados, como confundir bissexualidade com transtorno bipolar ou borderline. Se isto acontecer, procure outro profissional, ninguém pode tentar definir sua orientação sexual, a não ser você mesmo! O objetivo do terapeuta é te ajudar a se entender e se aceitar como bi, encontrar sua essência, e não tirá-la. Se realmente achar que precisa e de acompanhamento, não fique achando que não há solução e bons profissionais, se não tiver como pesquisar em convênios por ser escassos (muitos  estão dando ênfase ao atendimento particular), procure por serviços gratuitos em universidades como o Mackenzie,  na Consolação.   Se achar que está difícil, procure um grupo de ajuda no face, em grupos sérios e pessoas que tenham as mesmas vivências ou pelo menos parecidas às suas, certamente você se sentirá acolhido e empoderado. Espero que este blog seja uma fonte de ajuda, poderemos formar um grupo de apoio e até mesmo fazer encontros para dividir as nossas experiências se assim desejarem. Basta postar nos comentários ou me enviar um email no menu "Contatos".